econtábil

/notícias

Nossa expertise permite-nos auxiliar nossos clientes a desenvolver seus negócios em um cenário de grande complexidade e mudanças constantes

Novas leis e regras criam situações às quais as empresas devem se adaptar rapidamente. Em um cenário competitivo e globalizado o melhor desempenho de gestão resulta em menores custos e lucros maiores.

/ NOTA DE ESCLARECIMENTO – JUNTA COMERCIAL-PR

pis cofins

Buscando dar garantia, publicidade, autenticidade, segurança e eficácia aos atos jurídicos das empresas mercantis, submetidos a registro no Estado do Paraná, a JUCEPAR passou a exigir, no final do ano de 2011, o reconhecimento de firma por autenticidade (reconhecimento por verdadeira) para o arquivamento de documentos que envolvam entrada e saída de sócios e constituição de sociedade empresária, conseguindo deste modo frear a crescente prática da falsificação de assinaturas para a abertura de empresas “de fachada”, bem como a retirada de sócios sem a anuência dos mesmos, diminuindo, assim, a incidência dos crimes de falsificação de documento, estelionato, entre outros, usuais ate então no meio empresarial de todo o Brasil, porém rigorosamente combatidos por esta Autarquia do Estado do Paraná.

Ocorre que, em 29 de Agosto do ano corrente, a JUCEPAR se viu surpreendida com a notícia, por meio do Ofício no 226/2013 da FUNARPEN, de que os selos autenticadores de documentos, aplicados pelos notários e registradores, passariam a ser selos digitais, não havendo nada além de uma sequencia numérica aleatória, que somente após verificação de sua validade é que se pode dar por autentica/verdadeira determinada assinatura firmada em documento a ser arquivado.

Deste modo, após começar a receber diversos processos instruídos com documentação cuja autenticidade conferida pelo tabelionato consubstancia-se apenas de um Selo Digital (sequência numérica aleatória), a JUCEPAR, por meio do Ofício no 271/2013 – PRES, requereu à Corregedoria-Geral da Justiça do Estado do Paraná, esclarecimentos acerca dos procedimentos para a aceitação do referido Selo Digital.

Em resposta, a Corregedoria-Geral, por meio do Ofício Circular no 216/2013, esclareceu que os tabelionatos de notas ainda não foram integrados no sistema de Selo Digital, assim os reconhecimentos de firma, dados por eles por autênticos, não podem ser validados.

 Neste sentido, esclarece-se que somente serão aceitos nesta Junta Comercial os atos que contenham o Selo Físico da FUNARPEN em atendimento à instrução do Excelentíssimo Desembargador Corregedor da Justiça do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, no Ofício Circular supracitado, que determina que “Os atos de autenticação de documentos praticados pelos tabeliães de notas deverão conter apenas o Selo Físico, uma vez que ainda não foram integrados no Sistema do Selo Digital”.

 

Ardisson Nain Akel

Presidente da JUCEPAR