econtábil

/notícias

Nossa expertise permite-nos auxiliar nossos clientes a desenvolver seus negócios em um cenário de grande complexidade e mudanças constantes

Novas leis e regras criam situações às quais as empresas devem se adaptar rapidamente. Em um cenário competitivo e globalizado o melhor desempenho de gestão resulta em menores custos e lucros maiores.

/ Indústria pode ser 1º setor a se recuperar, segundo a FGV

governo

O nível de confiança da indústria revela um abrandamento das quedas registradas neste ano e, se houver uma melhora da demanda interna nos próximos meses aliada aos reflexos positivos da alta do dólar, o setor pode ser o primeiro a apresentar uma retomada, já a partir do primeiro semestre do ano que vem.
A avaliação foi feita nesta segunda-feira (30/11), pelo superintendente-adjunto para ciclos econômicos da Fundação Getulio Vargas, Aloisio Campelo Jr., ao comentar os resultados deste mês da sondagem da indústria. “O quarto trimestre ainda vai ser de retração na demanda interna, então ainda não é o momento para um grande virada, mas se o consumo das famílias melhorar e a confiança não cair nos próximos meses, pode haver uma retomada da confiança no primeiro semestre de 2016″, afirmou. Ele destaca que apenas o cenário mais favorável ao setor externo é insuficiente para reverter o quadro negativo da atividade industrial.
Após uma alta de 3,1 pontos do Índice de Confiança da Indústria (ICI) em outubro, a queda de 1,4 ponto em novembro, para 74,8 pontos, mostra que o processo de recuperação do setor não será rápido e que há bastantes dificuldades a serem enfrentadas pelos empresários. “Mas é a primeira vez no ano que a média móvel trimestral fica no campo positivo e isso pode sinalizar que o mês de agosto tenha sido o fundo do poço para a indústria”, avaliou Campelo.
A instabilidade política é citada pelo especialista como um dos fatores que podem interferir negativamente no processo de retomada da confiança dos industriais, apesar de o ambiente de negócios apresentar alguns fatores positivos.
Impulsionadas pela alta do dólar e pelo consequente processo de substituição das importações, por exemplo, as indústrias de bens intermediários ganharam competitividade e foram as que apresentaram melhora mais significativa na leitura de novembro do ICI, elaborado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV.
O índice de confiança deste grupo é o mais elevado na abertura por categorias de uso, na marca dos 81,6 pontos, e foi o também o que apresentou maior avanço na média móvel trimestral na margem, com acréscimo de 1,9 ponto. “As indústrias de papel e celulose e de metalurgia têm participação em comércio exterior acima da média e as indústrias têxtil e química se beneficiam mais da substituição de importações”, detalhou Campelo.
O fator câmbio também explica o fato de as percepções sobre a demanda externa, tanto a atual como a prevista para daqui a três meses, serem os únicos componentes da pesquisa a estarem em terreno positivo, em 101 e 106 pontos respectivamente, pela média móvel trimestral.
O ajuste do nível de estoques vem avançando há três meses, apesar de ter sido muito concentrado em bens de capital. Neste segmento, a proporção de empresas com estoques elevados recuou pela metade entre outubro e novembro, de 32,7% para 15,9%. Este ajuste, no entanto, foi insuficiente para influenciar as expectativas, porque a demanda interna segue fraca.
Nas indústrias de bens duráveis, especialmente em automóveis, 54,8% das empresas têm estoques acima do ideal. “Este é um setor com menos flexibilidade para produzir grandes ajustes de produção e por isso a adequação dos estoques pode estar demorando um pouco mais que o segmento de bens de capital”, afirmou o especialista.
Segundo Campelo, o pico de empresas com estoque excessivo foi registrado em agosto. “Algum ajuste aconteceu entre agosto e novembro, mas ainda não se sabe se isso vai continuar melhorando”, disse.
No campo das expectativas, as previsões para pessoal ocupado na indústria, apesar de ainda se encontrarem no terreno negativo, já estão melhores que as de comércio, serviços e construção e também pesaram para uma queda menos intensa da confiança no mês de novembro. “Isso mostra que o ajustes na força de trabalho da indústria ainda não terminou, mas sinaliza que a intensidade dos cortes deve diminuir e ser menor que nos outros setores”, estimou Campelo.
Fonte: Diário do Comércio. Publicado em 03/12/2015.