econtábil

/notícias

Nossa expertise permite-nos auxiliar nossos clientes a desenvolver seus negócios em um cenário de grande complexidade e mudanças constantes

Novas leis e regras criam situações às quais as empresas devem se adaptar rapidamente. Em um cenário competitivo e globalizado o melhor desempenho de gestão resulta em menores custos e lucros maiores.

/ Simples Nacional é encaminhado para votação no Senado

sped

O Diretor Político-Parlamentar da Fenacon, Valdir Pietrobon, acompanhou nesta terça-feira, 10, a reunião da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), que aprovou o aumento dos limites de enquadramento no Simples Nacional. O Projeto de Lei da Câmara (PLC) nº 125/2015 eleva de R$ 360 mil para R$ 900 mil o teto da receita bruta anual da microempresa (ME) e de R$ 3,6 milhões para R$ 14,4 milhões o da empresa de pequeno porte (EPP). A comissão aprovou também um pedido de urgência para o exame do projeto em Plenário. É possível que o PLC 125/2015 seja incluído na pauta de votação desta quarta-feira, 09.
Caso aprovado no Plenário do Senado, o projeto retorna à Câmara dos Deputados para análise das emendas do Senado. A partir de então, o texto possui menos de dez dias para ser votado antes do recesso parlamentar, que tem início no dia 17 de dezembro. As emendas propostas pela relatora Marta Suplicy (PMDB/SP) já têm efeitos em 2016, com a ampliação do prazo do “Refis do Simples”, que amplia de 60 para 120 meses as parcelas de débitos tributários para micro e pequenas empresas.
No entanto, a maioria das regras passa a valer a partir de 2017, como o teto da receita bruta anual para enquadramento no Simples Nacional, que passa a ser de R$ 7,2 milhões em 2017 e R$ 14,4 milhões de 2018.
Além disso, Suplicy ainda ressaltou que o pagamento do ICMS e do ISS será realizado por fora da guia do Simples Nacional na parte da receita bruta anual que exceder R$ 3,6 milhões. Esses impostos são, respectivamente, de competência de estados e municípios.
O PLC 125/2015 também altera os limites para o Microempreendedor Individual (MEI), que atualmente limita-se a R$ 60 mil de renda e passa para R$ 90 mil. A medida valerá a partir de 2017.
Após a votação no Senado, a matéria volta para a Câmara dos Deputados e segue para a sanção presidencial.
Articulação política
Após a aprovação do projeto na CAE, o Diretor Político-Parlamentar da Fenacon, Valdir Pietrobon, e representantes de diversas entidades se reuniram com a senadora Marta Suplicy (PMDB/SP) e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL) para alinhar as propostas para o PLC 125/2015 e para tentar, de forma conjunta, a aprovação da matéria antes do recesso parlamentar, para que a proposição já passe a vigorar em 2016.
Fonte: Fenacon. Publicado em 10/12/2015